quinta-feira, 26 de abril de 2018



BIBLIOTECA, DIA 26 DE ABRIL, 10:20
Comemoração do 25 de abril com
MARIA JOSE RIBEIRO

Nascida em Lisboa, em 1936, veio viver para o Porto com 18 anos.
Aqui cresceu como Mulher e Cidadã, trabalhou e estudou.
Aos 22 anos de idade, integrou a Comissão de Jovens de apoio à candidatura do General Humberto Delgado às eleições presidenciais de 1958.
Meses depois, com 23 anos, como consequência dessa intervenção, foi presa pela PIDE. Julgada em Tribunal Plenário foi absolvida e saiu em liberdade em 1960. Viria a ser presa por mais duas vezes, em 1962 e 1964.
Desenvolveu actividade, a nível do Movimento de Mulheres, Sindical e Autárquico.
É dirigente da URAP – União de Resistentes Antifascistas Portugueses, cujo Núcleo do Porto integra.




terça-feira, 24 de abril de 2018

O livro e o leitor (VII)

Jack Kerouac foi o escritor da Beat Generation. Pela estrada fora deu-nos as formas imperfeitas e contraditórias de um mundo que saía da nossa rua e que se alargava a todo o planeta. Kerouac descobriu-o em viagens sucessivas, nessa ideia antes de todas as revoluções de algibeira, o caminho do caminho. Refugiou-se nas montanhas e nelas viu organismos vivos como os humanos e nelas encontrou uma espécie de eternidade dourada.

Descobriu que o mundo é um filme de imagens residuais de quem nunca viu senão sombras, uma caverna presa em imagens mentais, dogmas sem substância viva. O mistério, a beleza do mais simples, o silêncio que se alarga sobre a ilusão do mundo, eis o que importa encontrar e desfrutar. Kerouac mostrou-nos o prazer proibido das sociedades contemporâneas, “o amor ao próximo”, que ele traduziu como a gentileza, no encontro do estudo com o budismo. 

A gentileza como uma revolução interior, “o céu” que cada um pode realizar na Terra. Kerouac descobriu-o perante a contradição de uma religião de dois mil anos, onde o individualismo fez uma guerra por essa qualquer coisa que poucos sabem explicitar. A generosidade como demonstração de inferioridade, ou a amabilidade como comportamento pouco natural elegeu uma sociedade de escravos, com pouca valorização das causas sociais e da humanidade de cada um. The Portable Jack Kerouac (um excerto abaixo) é uma introdução a uma visão de sociedade e de humanidade centrada na delicadeza. Palavras dos velhos anos sessenta, desse pretérito-quase-perfeito. Ler é também isto, a criação das imagens , o silêncio mo interior da ilusão do próprio mundo.

The world you see is just a movie in your mind.
Rocks dont see it.
Bless and sit down.
Forgive and forget.
Practice kindness all day to everybody
and you will realize you’re already
in heaven now.
That’s the story.
That’s the message.
Nobody understands it,
nobody listens, they’re
all running around like chickens with heads cut
off. I will try to teach it but it will
be in vain, s’why I’ll
end up in a shack
praying and being
cool and singing
by my woodstove
making pancakes.

Uma obra de arte por semana (VII)

Uma obra de arte por dia - Interpretar o real!


A Imagem Irradiante parece-nos um foco de luz que ele próprio descreveu em palavras, essa iluminação da alma oculta. Amadeo foi mais que um pintor, foi uma figura fascinante que importa conhecer melhor, pela correspondência que deixou e que aqui se deixa um exemplo:
"Ontem falei no espelho, o que me sugere
hoje a ideia de falar na imagem.
Mas não é a imagem reflectida que
eu quero acentuar, é a imagem
irradiante, aquela que poderei
comparar ao disco do sol que ilumina e aquece.
A imagem do espelho
é aparente, exterior nunca
por ela pode decifrar um
só traço daquilo
a que eu chamo a minha
alma oculta.
Ao passo que a imagem
irradiante é a que como
o sol se infunde
para nos iluminar a tal
alma oculta".

Amadeo de Souza-Cardoso (2008). Catálogo Raisonné. Lisboa: Assírio& Alvim, p. 37
Pintura – Guitarra, Cera s/ tela, 35 x 29cm, c.1916
Doação de D. Lúcia de Souza-Cardoso

Um poema por semana (VII)

          Um poema por dia - a imaginação para iluminar ou compreender o real!

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo
Sophia de Mello Breyner Andresen, “25 de Abril”, in O Nome das Coisas. Lisboa: Caminho.


Imagem -  Copyright: http://urbansketchers-portugal.blogspot.pt

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Dia mundial do livro


O livro é um objeto único, raro por aquilo que nos dá. Ele é o único suporte de leitura que se basta a si próprio, pelo que só depende do leitor, do seu tempo privado, ao contrário da televisão, ou do cinema. O livro chama-nos, carece do nosso entusiasmo. Ler é assim, acima de tudo, o momento de construção de imagens, “o levantar a cabeça” imaginado, essas imagens que a leitura trouxe.

A leitura, a sua essência repousa na construção dessa reflexão, nesse tempo individual. A leitura isola o leitor, permite a imobilidade, instala o silêncio e concede-nos um processo de contra - movimento contra a cidade, o grupo, o barulho, o movimento, os outros, libertando-nos do tempo. Os livros são um dos objetos primordiais do que podemos chamar uma civilização.  

Com os livros guardamos a memória e as inquietações anteriores a nós, mas também neles descobrimos que eles nos fazem pensar melhor, afinal que podemos evoluir como pessoas, como sociedade. É na leitura que nos descobrimos, que verificamos os valores que nos conduzem, as formas de encontro que conseguimos estabelecer com os outros.

Os livros que lemos dizem muito das pessoas que conseguimos ser, dos conhecimentos que multiplicamos nas ideias que apreendemos e da perceção que temos do mundo e de nós próprios. Os livros emergem com as palavras, ao nomeá-las, estamos a dar-lhes a substância de existirem, mesmo que se refiram ao que não temos, mesmo que sejam os sonhos antes dos sonhos, a respiração de ver o que se ama. Os livros e a leitura confirmam essa possibilidade maior de aceitarmos em partilha as vozes que nos chamam para o reconhecimento múltiplo da humanidade.  

Os livros são elementos de um ritual de silêncio e descoberta, instrumentos para a construção dum paraíso, essa divindade, de que tanto carecemos, as Bibliotecas. Com elas, e neles, vivemos momentos de recolhimento e reflexão. É dos livros e do seu silêncio ordenado que recebemos essa energia que nos permite descobrir em poucos anos universos inteiros. É pelos livros, pelas suas palavras, que damos peso, estrutura ao que somos.

É na respiração das palavras que anunciamos as formas como vemos o mundo, e somos muito “aquilo que as palavras ouvem” (António Manuel Pina) e é por isso que eles são a mais bela forma de registar o mundo e as suas cores. 

quarta-feira, 18 de abril de 2018

O livro e o leitor (VI)

                         O livro e a leitura - celebrar os momentos íntimos da leitura!

Na cultura medieval as representações da Anunciação eram pouco comuns. Foi durante o Renascimento, quando a sua representação já não era uma raridade que surgiu uma das mais emblemáticas. Trata-se da Anunciação pintada por Simone Martini, de 1333. 

A figura de Maria aparece numa imagem sobressaltada, quase a recusar o encontro com o anjo, aconchegando o manto ao peito e mantendo o livro aberto, no sítio onde a leitura tinha sido interrompida. Estamos perante um livro de Horas. 

Estes livros eram utilizados como objectos pessoais de devoção e também serviam para ensinar as crianças a ler. O quadro de Simone Martini é muito importante porque introduz algo novo - a ideia e o conceito que marcará o ambiente das mulheres culturas no fim da Idade Média.
Justamente, a leitura em silêncio, a procura de palavras que sirvam um estudo que é solitário, mas que permite construir ideias próprias. O sobressalto de Maria é o sobressalto de interrupção da leitura. Nesse sentido é um quadro sobre a leitura e sobre uma nova forma de construir momentos de intimidade e assim também pensamentos.

Simone Martini, A Anunciação (1333) - Uffizi - Florença -

Uma obra de arte por semana (VI)

Uma obra de arte por dia - Interpretar o real!

Edgar Degas é em certo sentido um dos representantes do movimento Impressionista. Desenvolveu a sua atividade na segunda metade do século XVIII e primeiros anos do século XIX. Com Monet, Cézanne e Renoir, Degas e outros pintores procuraram apresentar as suas obras a público nascendo uma forma de representação que marcaria a pintura no século XIX. 

Embora o Impressionismo tenha cultivado a arte de pintar ao ar livre, a vida real observada Degas procurou mais a ficção nas suas representações pictóricas e a sua pintura foge às características tradicionais do Impressionismo. Participou em exposições do grupo, mas as suas cores e temáticas fugiam um pouco ao que os restantes elementos faziam e procurou desenvolver um sentido de vanguarda. 

Na sua pintura as personagens desenvolvem-se em atmosferas muito expressivas, de um realismo notável e com uma capacidade de nos comunicar emoções de forma brilhante.

Edgar Degas, Bailarina no palco, 1878, Musée d'Orsay, Paris

Um poema por semana (VI)

Um poema por dia - a imaginação para iluminar ou compreender o real!

You tell me that silence
is nearer to peace than poems
but if for my gift
I brought you silence
(for I know silence)
you would say
This is not silence
this is another poem
and you would hand it back to me
.


Leonard Cohen, "Gift", in Pocket Poems

terça-feira, 17 de abril de 2018

Escritor do mês - Eça de Queirós

José Maria de Eça de Queiroz nasceu na Póvoa do Varzim em 1845. Estudou entre o colégio da Lapa, na cidade do Porto, e a Universidade de Coimbra, onde entrou no primeiro ano, em 1861. Aqui, ligou-se a uma geração académica, admiradora das ideias de Proudhon e de Comte. Travou conhecimento com Antero de Quental e iniciou a sua carreira literária, com a publicação de folhetins que mais tarde seriam agrupados nas Prosas Bárbaras (1905).

Em 1866, formou-se em Direito e passou a viver em Lisboa, onde exerceu a profissão de advogado. Cimentou a sua ligação a Antero de Quental e ao grupo do Cenáculo (1868), após ter dirigido o Distrito de Évora (1867). Em 1869, viajou até ao Egito, para fazer a reportagem sobre a inauguração do Canal do Suez, de que resultará O Egipto, publicado apenas em 1926.

Em 1871, participou nas Conferências do Casino Lisbonense. Entre 1869 e 1870, publicou diferentes obras, tais como Os Versos de Fradique Mendes,O Mistério da Estrada de Sintra, em parceria com Ramalho Ortigão e iniciou a publicação das Farpas. Em 1871, foi nomeado 1.º Cônsul nas Antilhas espanholas, transitando depois para Cuba, onde permaneceu dois anos. Entre 1883 e 1887, refez algumas das suas obras e publicou o Conde D’Abranhos e Alves & Companhia. Em 1874, passou a desempenhar a sua atividade em Inglaterra, foi em Newcastle que terminou O Crime do Padre Amaro (1875), ali ficando até 1878.
Após esta data, foi para Paris, onde se dedicou à criação literária e onde faleceu em 1900. Em 1888, publicou a sua grande obra Os Maias e foi nomeado Cônsul em Paris. Continuou a escrever diferentes textos e obras, como A Ilustre Casa de Ramires ou a publicação na Revista Moderna, em Paris. 

Eça é um dos maiores escritores de língua portuguesa, sendo em muitos aspetos uma figura que cria um mundo novo que alcança formas novas de exprimir um modernismo na escrita. É um dos escritores mais populares de língua portuguesa. A sua obra evoluiu de uma formulação inicial mais fantástica e influenciada por nomes como Baudelaire ou Heine, presente nos artigos e crónicas, para numa fase posterior se dedicar à crítica das instituições mais tradicionais, preocupando-se com a reforma social, dando-nos belos quadros de “crónicas de costumes.” 

Na última fase, encontramos uma escrita com mais esperança, com o culto da Natureza e de um certo regresso à simplicidade do homem, como se percebe em A Ilustre Casa de Ramires, A Cidade e as Serras ou a Correspondência de Fradique Mendes.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

O livro e o leitor (V)

                O livro e a leitura - celebrar os momentos íntimos da leitura!

Sibila de Cumas de Miguel Ângelo é um dos quadros que no Renascimento procurou dar nova vida às histórias e figuras da mitologia. Miguel Ângelo nos frescos da Capela Sistina juntou figuras do Antigo Testamento (profetas) com Sibilas de natureza pagã.

As Sibilas eram profetisas da Antiguidade Clássica que sabiam prever acontecimentos trágicos. O nome que as acompanhava derivava do sítio onde estavam. Sibila de Cumas referia-se a uma Sibila da região da Campânia. Neste fresco a Sibila é-nos oferecida numa fase ainda não final de vida, pois os braços ainda revelam muito vigor. 

A Sibila de Cumas de Miguel Ângelo aparece no seu conjunto como uma figura meio humana, meio fantástica e o livro surge como algo que saberá ler o futuro. Apesar das páginas do livro estarem em branco ele surge aqui retratado no seu aspeto mais simbólico de conservação de algum conhecimento, os poderes da Sibila no universo mitológico próprio da Antiguidade Clássica que o renascimento reinventou com novos significados.

Miguel Ângelo, A Sibila de Cumas (1510)
Capela Sistina - Roma

Uma obra de arte por semana (V)

            Uma obra de arte por dia - Interpretar o real, reconstruir o mundo!



A Primavera, quadro de 14470/80 de Sandro Botticelli é uma das referências da Arte do Renascimento. Quadro de extrema beleza, onde vemos as Três Graças e Flora com o seu vestido florido. É um quadro de memória da escola de Florença, das atmosferas delicadas. O quadro tem um significado filosófico relacionado com a simbologia da Primavera. Botticelli na fase final da sua vida abandonou este tipo de pintura, por influência de Savoranola, e embora perdesse popularidade por esses anos finais (início do século XVI) foi recuperado no século XIX como um pintor de grande nível.

Sandro Botticelli, A Primavera (1470/80) 
Galleria degli Uffizi - Florença

Um poema por semana (V)

               Um poema por dia - a imaginação para iluminar ou compreender o real!

Um poema por dia - a imaginação para iluminar ou compreender o real!
E pode
No entanto escutar-se, no entanto
Reler-se, no entanto caminhar

Em direcção diversa, magoar
Novamente os joelhos na jornada?
Como os velozes mensageiros de hoje,
Os que, com Íris e Hermes, esvoaçam
Pelo éter, não há-de reunir-se
Um exército novo, uma razão
Em forma de cenário, aquela estranha
Ardência do improvável
.

Hélia Correia (2012). A Terceira Miséria. Relógio D’ Água, p. 37.
Imagem: © – Hemingway, Colette. “Retrospective Styles in Greek and Roman Sculpture”. In Heilbrunn Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art, 2000–. http://www.metmuseum.org/toah/hd/grsc/hd_grsc.htm (July 2007)

segunda-feira, 9 de abril de 2018

abril

É um mês de muitas possibilidades. É um recomeço a construir um pensamento livre, como uma circunferência de giz a imaginar detalhes de um sonho.  É um mês de promessa, o do Verão a sobrar de dias ainda pouco quentes, de uma luz de cor de mar, ou de céu de montanha. É um mês de livros, a declamar palavras em ruas de chuva, a sonhar com o mês das rosas.
É Abril, um mês a imaginar um pensamento, como aves penduradas no vento. 
Um bom recomeço a todos!

“Contemplava a própria vida
na sorte desses instantes
que tanto se assemelham a furtivos lírios
à chegada da noite
mas dizia: um coração é sempre um pássaro
evadido à censura da penumbra

nenhum sofrimento conseguia desfazer
as muitas exaltações que mantinha
e mesmo à beira do abismo
exibia uma facilidade talvez sem razão

quando a arte das chamas se tornou
nas cidades uma ciência ameaçada
percebemos que há muito nos falava
do interior das florestas”

José Tolentino Mendonça. (2010). “Furtivos lírios”, in Baldios. Lisboa: Assírio & Alvim.
Imagem (Via Dias com Árvores) -  Vicia latyroides, ou Ervilhaca-miúda: na confluência do rio Sabor e Maçãs (Terra Quente - Trás-os-Montes).