segunda-feira, 30 de outubro de 2017

A palavra e o mundo - As cidades invisíveis (II)

"(...) quem ouve só fixa as palavras que deseja (...) Quem comanda o conto não é a voz: é o ouvido" (pág. 142)

Em As cidades invisíveis, Italo Calvino revela-nos como a cidade se constrói, se delimita, se habita com o seu nome, com a morte, com os espaços celestes, com a respiração de um tempo infinito. As cidades ocultas, as que apenas se pressentem e as que indiferentemente conhecemos, as que estão em toda a parte. E que gestos, que modos fazem transformar a cidade, os seus espaços, a sua transfiguração, de modo a que ela seja "cristalina, transparente como uma libélula"(pág. 165). A cidade dos enraízados e a dos que viajam, dos que sonham, dos que ambicionam o sonho da errância, como se revivem, como se libertam? E não é cada cidade uma junção de todas as que nela viveram, ousaram ser um espaço acima de qualquer tempo?

As cidades invisíveis dá-nos ainda um diálogo fascinante entre Marco Polo e Kublai Kan, o imperador dos Tártaros e remete-nos para as possibilidades da construção do Império,  de qualquer um. O que pode o viajante Marco Polo explicar ao Imperador pelas suas viagens, as suas descrições. As palavras, o pensamento, a memória, o desejo de Marco Polo permitirá a Kublai Kan compreender a filigrana que organiza a cidade? A viagem de Marco Polo ou o Império de Kublai Kan são apenas o reconhecimento do pouco que a sua vida terá, que a nossa vida terá, no sonho do tanto inconcebível de concretizar, das cidades fixadas em palavras, ou perdidas em fórmulas inverosímeis.

No fim, pode ser traçada uma ordem invisível que governe as cidades, que nos faça compreender a sua orgânica como organismo vivo? O  real, a materialidade do império reduzido à sua essência, conduz-nos a um intrigante nada. A inútil concretização do nada, nas ruínas dos conquistadores.

Na inútil tentativa de encontrar a cidade descontinuada no espaço e no tempo, encontrá-la significa que no desconcerto da vida, precisamos saber reconhecer a força bela que a poderá fazer renascer, o que de melhor pode viver em nós. É a cidade invisível que vive acima do que é visível, do que não vemos, das ruínas do tempo. A cidade invisível também como formulação de uma esperança, a energia para uma libertação, a que permite construir caminhos novos, o progresso civilizacional que alguns sonham e que importa reconstruir em cada geração.

Italo Calvino.(2012). As cidades invisíveis. Lisboa: Quetzal, pág. 142
Imagem, "Ciutat", Tomasz Pietryk

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

A palavra e o mundo - As cidades invisíveis (I)


(...) Recém-chegado e ignorando completamente as línguas do Levante, Marco Polo não podia exprimir-se de outro modo que não fosse retirando objectos das suas malas: tambores, peixes salgados, colares de dentes de facóquero, e indicando-os com gestos, saltos, gritos de espanto ou de horror, ou imitando o latido do chacal e o piar da coruja. (…)

Mas o que tornava preciosos a Kublai todos os factos ou notícias referidos pelo seu inarticulado informador era o espaço que ficava à volta deles, um vazio não preenchido por palavras. As descrições   das cidades visitadas por Marco Polo tinham esse dom: podia andar-se por elas com o pensamento, nelas podíamos perder-nos, para apanhar fresco, ou fugir a correr. Com o passar do tempo, nos relatos de Marco as palavras foram substituindo os objectos e os gestos: primeiro exclamações, nomes isolados, áridos verbos, depois pedaços de frase, discursos ramificados e frondosos, metáforas e hipérboles. (…)


Kublai Kan apercebera-se de que as cidades de Marco Polo eram todas parecidas, como se a paisagem de uma para a outra não implicasse uma viagem mas sim uma troca de elementos. Agora, de todas as cidades que Marco lhe descrevia, a mente do Grão Kan partia por sua conta e risco, e desmontada a cidade peça a peça, reconstruía-a de outro modo, substituindo ingredientes, deslocando-os, invertendo-os. Marco continuava a informá-lo da sua viagem, mas o imperador já não o ouvia, interrompia-o: – De agora em diante serei eu a descrever as cidades e tu verificarás se existem e se são como eu as pensei. (…)


Do número das cidades imagináveis temos de excluir aqueles cujos elementos se somam sem um fio condutor que os ligue, sem uma regra interna, uma perspectiva, um discurso. São cidades como sonhos: todo o imaginável pode ser sonhado mas também o sonho mais inesperado é um enigma que oculta um desejo, ou o seu contrário, um terror. As cidades como os sonhos são construídos de desejos e de medos, embora o fio do seu discurso seja o secreto, as suas regras absurdas, as perspectivas enganosas, e todas as coisas escondem outra. (…)


O Grão Kan contempla um império recoberto de cidades que têm peso sobre a terra e sobre os homens, a abarrotar de riquezas e de movimento, repleto de ornamentos e de incumbências, complicado de mecanismos e de hierarquias, inchado, largo, pesado. “É o próprio peso que está a esmagar o império”, pensa Kublai, e nos seus sonhos agora surgem cidades leves como papagaios de papel, cidades perfumadas como rendas, cidades transparentes como mosquiteiros, cidades nervuras de folhas, cidades linhas da mão, cidades filigrana para ver através da sua opaca e fictícia espessura.



Italo Calvino. As cidades invisíveis. Lisboa:Teorema. 2011.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

A palavra e o mundo


A palavra e o mundo é a designação que escolhemos para a etiqueta que organizará um conjunto de propostas de leitura, exploração de temáticas à volta de uma ideia chave, o livro e a viagem. Literatura de viagens no seu sentido mais lato, mas também outras formas de viajar. A viagem dentro do livro, aquela que nos permite transformar um sentido, uma forma de ver o mundo, de nele escrever o que tentamos ser. A viagem como descoberta, entre as suas dimensões físicas e espirituais.

Assim, nos dias à frente, na feliz expressão de Sophia faremos a apresentação de textos / livros / autores que se interessaram por abordar a viagem.
Conhecer o mundo é ir ao encontro de diversas culturas, de diferentes cores, de ver a vida. Como John Steinbeck nos soube dizer há várias décadas é a viagem que nos faz. É ela que nos faz ser o traçado mais importante da geografia, é ela que nos faz descobrir os poemas do planeta, em cada recolha de sal e pó. É a viagem que nos organiza, nos identifica e é nela que a variedade do mundo nos recria de originalidade.

Coma periodicidade possível faremos uma proposta de livros que nos permitam construir a viagem nas suas diferentes dimensões. A escolha procurou ligar ao currículo de estudo da Literatura e do Português, mas também pela descoberta dos percursos interiores que as palavras fazem nascer dentro das suas linhas. A viagem também como como forma de aprendizagem, pois é nela que podemos compreender a beleza do planeta, a sua diversidade, o belo entre os momentos de imperfeição de que é composta a vida.

(1) John Steinbeck, citado do prefácio de Gonçalo Cadilhe, Um lugar dentro de nós. (2012). Lisboa: Clube do Autor. Imagem - Ilha de São Miguel, Açores.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

O BRILHO DA MENTE 


29 de novembro, 10:20 


Com o objetivo de contribuir para a promoção de uma saúde mental positiva, a nossa biblioteca vai receber a visita de uma representante da Unidade de Saúde da Carvalhosa. 

Neste encontro , serão abordados temas relacionados com a da importância da  comunicação, do auto conceito, da auto estima e das tomadas de decisão. 


Paralelamente, será dinamizada uma atividade de cariz biblioterapeutico. 


DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO, 
16 DE OUTUBRO

Por dificuldades de calendarização dos dinamizadores desta ação, o Dia Mundial da Alimentação será celebrado na nossa escola no dia 25 de outubro

Com o objetivo de abordar  temas relacionados com o conceito  de alimentação saudável, pretende-se  desconstruir a imagem da alimentação praticada com destaque para os conservantes, corantes e processamento. Complementar-se-á esta atividade com uma outra de  leitura e análise de rótulos. 

Pretende-se, assim, contribuir para a consciencialização da importância de uma alimentação correta.





Publicamos uma  imagem da atividade dinamizada na nossa escola pela enfermeira Patrícia Alves e por  alunas da Escola Superior de Enfermagem, sob a supervisão da Professora Margarida Abreu. 






quarta-feira, 4 de outubro de 2017



 " Os óculos dos telescópios”


Celebra-se hoje o sexagésimo aniversário do lançamento do Sputnik 1, primeiro satélite artificial lançado  pela antiga União Soviética e também pela humanidade, no Cosmódromo de Baikonur.

O seu lançamento provocou a chamada "crise do Sputnik" e abriu, simbolicamente falando, a "porta" para o começo da corrida espacial entre os Estados Unidos e a URSS.


Para celebrar este acontecimento , a nossa biblioteca vai receber a visita do investigador Carlos Correia no dia 18 de outubro,  às 10.25h, que vem  fazer uma palestra subordinada ao tema   " Os óculos dos telescópios”.

A biblioteca conta com a vossa presença!

  





O investigador Carlos Correia , do Laboratório de astrofísica de Marselha, esteve na nossa biblioteca e falou-nos não só do seu trabalho em otica adaptativa, mas também do espaço. 

O entusiasmo,  as perguntas feitas  e os conhecimentos demonstrados pelos alunos demonstram um surpreendente   interesse por estas temáticas. 

Ao nosso convidado, o nosso agradecimento.